Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: IX
Nº: 409

ASTA completa duas décadas em maio Voltar

TEATRO. O Jornal Fórum Covilhã falou com Sérgio Novo, diretor da ASTA, que salientou a importância do trabalho da Companhia e dos projetos que têm vindo a desenvolver

 

Fundada no ano de 2000 é precisamente a 4 de maio de 2020 que a ASTA celebra os seus 20 anos. Esta companhia dedica-se ao teatro e às outras artes, a partir da Covilhã, esforçando-se para combater assimetrias regionais no que diz respeito ao acesso à cultura e à democratização das artes. Desde a sua origem que prima pela originalidade e individualidade nas suas criações, objetivos estes que foram expostos logo desde o início; sempre quiseram ser transparentes e mostrar o que realmente queriam fazer.

Começaram com três eixos principais, que, entretanto, já se tornaram cinco. As criações, a programação (por exemplo, os festivais que têm vindo a desenvolver) e o serviço educativo vêm desde o início. Mais recentemente, adicionaram a investigação e a circulação, onde é de relevar o trabalho que têm desenvolvido, não só em território nacional, mas também no resto da Europa, tendo em conta que já estiveram presentes em 15 países de quatro Continentes diferentes. Sérgio Novo, presidente e diretor artístico da ASTA, destaca a importância do serviço educativo ao longo de toda a sua atividade, uma vez que sempre teve um papel significativo, “o serviço educativo remete, de forma direta, para a componente da formação e sensibilização de públicos e é, de facto, vital e fundamental. Quando hoje em dia falamos das atividades que são desenvolvidas, é essa componente que forma, por excelência, o chegar às pessoas, à comunidade, então sempre foi extremamente valorizada por nós e continua a ser”, afirma.

Esta companhia, que já correu o país de lés a lés e trabalhou com várias personalidades célebres no teatro, sente que o seu trabalho tem vindo a ser cada vez mais valorizado, dado o feedback bastante positivo do público, não só desta cidade, mas também de outros pontos do país e, até do estrangeiro. O reconhecimento do público acaba por legitimar os seus projetos e é este mesmo reconhecimento, em particular, da população covilhanense, que os motiva, como conta Sérgio Novo, “se chegamos onde estamos agora, temos de agradecer às gentes da Covilhã, tanto a nível institucional como a nível privado, que nos têm reconhecido o trabalho e o mérito nas atividades, e que nos têm, de uma maneira ou de outra, apoiado”.

São várias as distinções que têm recebido ao longo destes vinte anos e é de salientar o prémio atribuído ao projeto «Tell Me», no ano passado, pela UNESCO. O diretor da ASTA lamenta o facto de ainda haver um preconceito e desvalorização no mundo das artes, que estes prémios vêm ajudar a dissipar, “este prémio vem, acima de tudo, creditar um trabalho. Infelizmente, ainda há muita gente que pensa que as artes é chegar no dia do espetáculo, meia hora antes, vestimo-nos e apresentamos o trabalho e não é assim. Efetivamente há todo um trabalho por trás e isso é importante”, explica.

O ano de 2020 já está planeado e o público pode contar com inúmeros espetáculos e projetos que irão sendo divulgados ao longo do ano e, em especial, com uma grande novidade que será um novo festival dinamizado pela ASTA.

- 21 Jan, 2020
- Micaela Silva