Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: IX
Nº: 421

Rotas Beirãs: Um labirinto de virtudes episcopais em Castelo Branco Voltar

 

Passear em Castelo Branco e não passar pelo menos uma hora a descobrir o Jardim Episcopal da cidade é quase como se diz na gíria “ir a Roma e não ver o Papa” (mais propriamente ao Vaticano diga-se de passagem).  Este magnífico jardim que remonta ao século XVIII, e mandado edificar pelo Bispo da Guarda da altura de nome D. João de Mendonça, é uma verdadeira perdição em forma de labirinto. Visto de cima (algo que pode ser feito através da escadaria principal) parece retirado do filme da “Alice no País das Maravilhas”, diretamente do imaginário exagerado e de grandes dimensões do sonho de uma criança.

Jardim municipal desde 1919, divide-se em quatro sítios diferentes que se ligam entre si pelo extenso labirinto:  a entrada, o patamar do buxo, o jardim alagado e o plano superior. A entrada faz-se pela Rua Bartolomeu da Costa e está replete de painéis murais revestido em azulejo com vistas antigas da cidade e retratos de figuras importantes, com um portal do século XVIII muito bem conservado. O patamar do buxo, para além das sebes altas que se erguem e que estão tão bem cuidados tem ainda cinco lagos equipados com repuxos, em alusão às cinco chagas de Cristo, para além de várias estátuas, num verdadeiro percurso iconográfico bem explicado e legendado. Já o Jardim Alagado é um conjunto de canteiros em forma de trapézio que parece emergir diretamente do meio do lago do jardim, criando uma sensação visual muito especial. É aí que podemos ver as duas escadarias impressionantes com figuras por toda ela, que enriquecem e muito o espaço visualmente e historicamente, em lado opostos do jardim. Através delas chegamos ao patamar superior do jardim, com uma cascata a jorrar água para o enorme tanque.

É de facto um jardim magnífico que ainda hoje mantém a grande maioria dos seus elementos históricos muito bem conservados e dispostos, tornando-se um espaço enigmático e carregado de magia e história que merece uma visita atenta. Em ano de poucas viagens e saídas para fora, aproveite para passear pela região e conhecer melhor o que ela tem para nos oferecer com o bom tempo que está a chegar para ficar. Aqui no Rotas Beirãs, vou-lhe deixar vários conselhos todas as semanas.

 

 

- 19 mai, 2020
- Fernando Gil Teixeira