Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: IX
Nº: 444

EDITORIAL: É preciso dar força às economias locais Voltar

«A força de acreditar é importante, e se esta for acompanhada por alguns apoios e determinação de quem governa, acredito que podemos diminuir os efeitos colaterais que a pandemia está a fazer nas economias»

 

As economias locais, nomeadamente o pequeno comércio, incluindo aqui a restauração e similares estão a passar por grandes dificuldades, mas também por grandes desafios. Os apoios escasseiam e os problemas estruturais que alguns destes estabelecimentos já tinham não estão a deixar que se mantenham em tempos de pandemia. São problemas graves que podem causar a destruição de milhares de postos de trabalho, tendo em conta que a pandemia e as restrições dos governos fizeram com que as taxas de turismo baixassem abruptamente. Para esse problema não existem muitas soluções que sejam milagrosas, mas temos três premissas que podem ser importantes para que o setor se comece a revitalizar.

- A primeira delas é um apoio do Estado, calculado com base em faturações anteriores, mas neste caso que ascenda aos 20% das perdas que os estabelecimentos tiveram, e que seja a fundo perdido, tal como algum alívio fiscal, pois este é um dos fatores mais graves que assola o comércio, é que para além de quase nada faturar ainda tem que «carregar» com uma carga fiscal muito elevada;

- Em segundo plano temos que estimular as economias locais com o slogan «compre no comércio tradicional, consuma o que é nosso», este é um papel que cabe às autarquias e às associações empresariais, que em conjunto devem encontrar ferramentas de estímulo ao comércio local, para que as comunidades comecem novamente a consumir junto do comércio dos centros históricos e das casas mais tradicionais. Este é um passo muito importante a dar, e há que aproveitar agora para o consolidar;

- Em terceiro lugar, cabe também ao comércio local, incluindo a restauração e o turismo criar novos modelos de negócio, reinvenções ao setor, sair da zona de conforto e tentar ser ainda mais criativo, sei que quando é difícil, principalmente quando se está em plena crise, mas isto é essencial para que haja uma revigoração dos setores, é necessária uma união entre todos, e aproveitar esta época do Natal para dar vida aos negócios, aos centros históricos e com a inovação atrair novos clientes, sempre cientes que se formos agentes ativos temos mais oportunidades de ultrapassar esta crise, sem precedentes, mais rapidamente;

A força de acreditar é importante, e se esta for acompanhada por alguns apoios e determinação de quem governa, acredito que podemos diminuir os efeitos colaterais que a pandemia está a fazer nas economias.

- 18 nov, 2020
- Vítor Aleixo