Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: IX
Nº: 421

“É difícil o regresso à competição esta época” Voltar

 

ASSOCIATIVISMO. Esta semana o Jornal Fórum Covilhã foi conhecer a realidade do Grupo Amizade das Donas, no concelho do Fundão. O seu presidente Sérgio Salvado deu conta da nova etapa vivida pelo clube, tendo em conta a pandemia da Covid-19

 

Jornal Fórum Covilhã (JFC) - De que forma foram afetadas as vossas atividades com a Covid-19?

Sérgio Salvado (SS) - A Covid-19 levou à paragem de todas as nossas atividades desportivas, juvenis e recreativas. Tínhamos previsto em abril a realização de um Torneio de Sueca que foi cancelado, ainda nesse mês estava prevista a realização de mais um Grande Prémio de Atletismo Cerejeiras em Flor em Flor, prova que se realizava desde de 1989 ininterruptamente, e que agora esta adiada sem data prevista, tínhamos também previsto um Passeio Pedestre, este mês de maio era o jantar de aniversario, em julho as festas de verão tudo atividades canceladas. Em termos da atividade desportiva quer no atletismo como no triatlo a mesma esta suspensa, desconhecendo-se para quando o regresso aos treinos presenciais e á competição. As atividades juvenis nomeadamente programas dos IPDJ encontram-se a aguardar aprovação deste instituto, no entanto desconhecemos se haverá condições para se realizarem e destes falamos de programas de voluntariado, campos de férias entre outros.   

JFC - Como se está a processar o treino dos atletas com esta nova realidade?

SS - Devido ao cancelamento de todos os treinos presenciais, os treinadores do clube têm acompanhado os atletas à distância, enviado todo o planeamento que estes devem fazer, realizando o controlo através dos registos e vídeos enviados pelos atletas. A maior dificuldade tem sido os atletas mais novos que se encontravam numa fase de aprendizagem de técnicas e à distância perderam o apoio do técnico que corrigia, dificuldades que afeta ainda os atletas das provas de pista, que necessitam de treino especifico e que neste período ficaram privados de treinar na pista bem como da presença física do treinador.

JFC - Como defendem que deve ser feito o regresso à competição?

SS - Ao contrário de outras modalidades como o futebol, os clubes de atletismo não têm condições para a realização de testes a todos os atletas, pelo que será muito difícil o regresso à competição ainda na presente época que apenas termina em outubro, no entanto, é momento de começarmos a pensar no regresso aos treinos com regras apertadas, e pensar como poderemos iniciar a próxima época caso tudo se mantenha como agora. Infelizmente a comunicação por parte da FPA e AACB é muito pouca, praticamente não temos conhecimento de nada nem de como se está a preparar o regresso, e neste momento são apenas incertezas, não havendo qualquer contato da Federação junto dos clubes.

JFC - A nível financeiro os impactos na vossa instituição foram grandes?

SS - Foram bastante grandes, afetando muito a vida do clube, a ausência das atividades levou ao cancelamento de diversos patrocínios, muitas das receitas previstas com atividades recreativas vão ser nulas, tendo o GCAD um orçamento de aproximadamente 100 mil euros, neste momento temos uma previsão de menos 30% de receitas, sendo que a maioria das despesas se mantiveram, inclusive muitas relacionadas com atividades que depois foram canceladas.

 

 

JFC - Defendem apoios financeiros para as associações desportivas? De que forma deveria ser feitos?

SS - Em termos de apoio realçamos a manutenção do apoio que o município do Fundão nos dá e que se mantém mensalmente apesar da crise que afeta o concelho do Fundão. Agora em relação aos outros organismos e ao Estado defendemos que obras de manutenção sempre necessárias nas sedes sociais, as compras relacionadas com as atividades desenvolvidas pelo clube pudessem ser alvo de devolução de IVA, obviamente devidamente justificado, isenção de IUC nas viaturas do clube que neste momento estão paradas, bem como linhas de crédito e apoios específicos para os clubes desportivos. Em relação à FPA seria importante a isenção ou pelo menos redução nas taxas de inscrição e filiação da próxima época desportiva, valores ainda bastante significativos e que poderão ditar a diferença entre continuação da modalidade de atletismo ou o seu fim em muitos clubes nacionais.

 

«Ao contrário de outras modalidades como o futebol, os clubes de atletismo não têm condições para a realização de testes a todos os atletas, pelo que será muito difícil o regresso à competição ainda na presente época que apenas termina em outubro»

 

«A ausência das atividades levou ao cancelamento de diversos patrocínios, muitas das receitas previstas com atividades recreativas vão ser nulas, tendo o GCAD um orçamento de aproximadamente 100 mil euros, neste momento temos uma previsão de menos 30% de receitas»

 

 

- 19 mai, 2020
- Vitor Aleixo