Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: IX
Nº: 426

Projeto “Track and Trace COVID-19" Voltar

 

“Track and Trace COVID-19” foi um dos projetos aprovados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia em colaboração com a Agência de Investigação Clínica e Inovação Biomédica (AICIB) na “RESEARCH 4 COVID 19”, tendo obtido o primeiro lugar no ranking em Portugal (4,9 em 5). A equipa do “Track and Trace COVID-19” é multidisciplinar e composta por investigadores do CICS-UBI, clínicos e patologistas dos hospitais da Beira Interior, autarquias da Covilhã e Fundão e ACeS Cova da Beira.

Como referiu o diretor da OMS, “não podemos combater um incêndio com os olhos vendados”, “Track and Trace COVID-19” pretende implementar um novo método de diagnóstico mais rápido e de baixo custo para detetar o SARS-CoV-2. Este método baseia-se na deteção e quantificação de sequências ricas em guanina existentes no RNA viral do SARS-CoV-2, por hibridação com sensores de DNA que florescem na presença do RNA do vírus. Estas sequências ricas em guanina são especificas do SARS-CoV-2 relativamente a outros coronavírus, MERS e influenza e foram identificadas pelo grupo de investigação liderado por C. Cruz no CICS-UBI nas regiões Nsp2 e 3 ORF1ab e glicoproteína spike do vírus.

O objetivo é detetar a presença do RNA viral na amostra diretamente e sem necessidade de etapas intermediárias de amplificação dos ácidos nucleicos do SARS-CoV-2 exigidas nos testes atuais de diagnóstico por PCR. O teste de diagnóstico proposto irá identificar "focos" de COVID-19 que regressem aos locais de trabalho, pessoas que vivam em instituições (idosos, detidos), mais vulneráveis à infeção e, isolá-los, seja numa unidade de saúde ou em casa, mediante os sintomas apresentados. É preciso fazer bem o rescaldo deste “incêndio” para evitar segunda onda de infeção que será imprevisível neste momento é se existirá como será. O aumento maciço do programa nacional de testagem e rastreamento é fundamental para controlar a imprevisibilidade do SARS-CoV-2.

Neste momento estão a ser otimizadas as condições de deteção com os sensores de DNA e a serem cedidas as amostras do RNA viral pelos hospitais da Beira Interior ao CICS-UBI.

Carla Cruz

 

 

- 29 jun, 2020
- Carla Cruz