Fundadores: Vitor Aleixo e Ricardo Tavares
Diretor: Vitor Aleixo
Chefe Redação: Ricardo Tavares
Ano: VII
Nº: 376

Uma década que colocou o Unidos no mapa do basquetebol nacional Voltar

BALANÇO. Paulo Bicho está há dez anos na liderança do Unidos Futebol Clube do Tortosendo e prepara-se para passar o «testemunho» na direção da coletividade. A recuperação financeira da agremiação, a obra realizada e os resultados desportivos foram abordados nesta conversa com o Jornal Fórum Covilhã

 

O Unidos Futebol Clube do Tortosendo tem atualmente 160 atletas a praticar basquetebol e patinagem artística. No basquetebol com a implementação do baby basquete este ano, a oferta da coletividade sediada no Tortosendo vai desde os três anos até ao escalão de sub-18 e, na patinagem artística, desde a iniciação até aos 17 anos.

“Julgo que não há a perceção da sociedade que estas modalidades são frequentadas por tantos atletas”, afirmou Paulo Bicho, acrescentando que “o Unidos do Tortosendo criou a secção de patinagem há quatro anos, com pouco mais de 20 atletas, e atualmente, temos mais de 40 inscritos na associação de Coimbra”.

Para sublinhar o crescimento da patinagem artística, Paulo Bicho nota que “nasceram outros clubes no concelho da Covilhã. É uma modalidade que está a começar a criar raízes a nível local”.

Quando há dez anos chegou à presidência do Unidos do Tortosendo, Paulo Bicho confessa que estava longe de imaginar que hoje o clube fosse uma referência nacional na prática do basquetebol. “Há 10 anos, o clube estava mal financeiramente, mas passo-a-passo fomos criando bases. Na última década, o Unidos do Tortosendo foi campeão 26 vezes nos diversos escalões, desde os sub-14 aos sub-19 e há oito anos que o clube tem equipas nos campeonatos nacionais, por norma, duas por ano”, afirmou.

A “criação de bases nos dois primeiros anos” em que presidiu o Unidos do Tortosendo, com a criação de condições físicas, aquisição de meios de transporte e a formação dos técnicos “justificam esta escalada no basquetebol do Unidos do Tortosendo”, considerou Paulo Bicho.

Além dos resultados desportivos alcançados, o presidente da direção do Unidos do Tortosendo assinalou outros objetivos concretizados nos cinco mandatos em que presidiu a coletividade. “Conseguimos renovar este espaço, nomeadamente os balneários que representou um investimento de 36 mil euros, que não tinham qualquer conforto, mas hoje orgulham-nos. Também a sede foi em parte renovada e está mais moderna. Neste âmbito faltou alterar a caixilharia e o telhado que fica para quem vier a seguir. Destaco ainda a nova iluminação led colocada no pavilhão que significou um investimento de quase 10 mil euros que está a ser pago e que se enquadra no âmbito do protocolo que a autarquia fez com as coletividades, e particularizo ainda a homenagem aos fundadores do clube com a colocação de um placard na parte exterior da sede”, disse.

A reabertura da sala de espetáculos com 400 lugares foi ainda abordada por Paulo Bicho, lamentando, no entanto, que “não seja mais utilizada”. “Esperamos assinar este mês, em princípio será dia 24, um protocolo com a autarquia para que este espaço seja utilizado enquanto decorrem as obras no Teatro Municipal da Covilhã”, revelou.   

“Não me recandidato”

As eleições para o Unidos do Tortosendo realizam-se no 26 de abril e Paulo Bicho deixou a garantia que não se recandidata. “Já era minha vontade sair há dois anos e agora chegou definitivamente a altura de sair. Este clube precisa de gente nova, de um ar fresco, de pessoas com outras ideias, com outra vontade e disponibilidade a todos os níveis”, referiu.

Paulo Bicho avançou que irá integrar a lista à mesa da Assembleia-Geral da candidatura que o vice-presidente do Unidos do Tortosendo, Marcelo Batista, irá apresentar ao ato eleitoral do dia 26 de abril. “Sei que está a formar uma lista que mantém a base da atual e, se a continuidade passar por essa lista, o clube fica muito bem entregue. São pessoas que conhecem bem a coletividade, honestas, com outras ideias e será muito bom se o clube continuar neste caminho”.

No balanço ao trajeto de uma década em que presidiu o Unidos do Tortosendo, Paulo Bicho considera que realizou “um bom trabalho. Consegui a estabilização financeira da coletividade, realizei obras, temos alcançado excelentes resultados desportivos e deixo dinheiro em caixa, quando há dez anos encontrei dívidas. Um sócio dirigiu-se a mim e disse: «Não precisas de colocar placas com o teu nome, nem de escrever livros, porque deixas obra feita» e este é o melhor agradecimento que podia ter tido por estes dez anos”, concluiu.

- 09 Abr, 2019
- Ricardo Tavares
}